Cervejaria Nacional apresenta suas cinco receitas de cerveja artesanal com menu harmonizado

Cervejaria Nacional apresenta suas cinco receitas de cerveja artesanal com menu harmonizado
Por Glaucia Balbachan

Da fábrica direto para o seu copo!

Tão antiga quanto o pão, a cerveja não tem uma data ou local correto de origem, mas o que se sabe é que já era conhecida pelos chineses, egípcios e mesopotâmios - por volta de 4000 a.C. Porém, aos poucos a bebida fermentada foi se espalhando pelo planeta, ganhando estilo, coloração, origem, teor alcoólico e fermentação variada - atraindo apaixonados, especialistas e apreciadores. A busca por boas cervejas sempre partiu dos seguintes países: Alemanha, Inglaterra, República Checa, Canadá, e Estados Unidos - onde existe a cultura de se preparar a sua própria cerveja em casa, com aqueles kits de cerveja.

Conhecida como “paixão nacional” a cerveja é bastante cultuada no Brasil, principalmente por estar em país tropical - o consumo e o aparecimento de marcas e cervejarias foram ganhando espaço. Cervejas diferentes que saem do gosto convencional são facilmente encontradas em alguns bares e pubs europeus em São Paulo. Contudo, essa bebida tão atraente - uniu cinco homens para montar um conceito de cerveja singular e cheia de sabor.

Inaugurada em maio deste ano - a Cervejaria Nacional é a única fábrica de cerveja dentro do bar. A Casa é dividida em três pisos - o primeiro é a fábrica, onde já na entrada se vê por uma parede de vidro os barris inox e toda a produção. No segundo e terceiro piso - a decoração é contemporânea com tijolos aparentes, luz baixa, chão de cimento queimado, longo balcão que te possibilita a vista da fábrica no piso inferior e espaço amplo.

Os responsáveis pela fábrica e bar são Dudu Toledo, Luis Fabiani, Alexandre Cymes, Marcus Ribas e Peter Jancso. Vindo de profissões distintas Dudu Toledo foi apresentado ao mundo das cervejas por Luis Fabiani - amigo de escola, que já estava envolvido com a cerveja, desde que viveu nos Estados Unidos. Logo, os dois amigos montaram a micro cervejaria nacional - com capacidade de 100 litros. Na primeira receita eles já agradaram o consulado britânico - onde começaram a enviar um barril de cerveja por semana para lá. “Quando fui apresentado às cervejas artesanais fiquei maravilhado. E pensei poderíamos fornecer cerveja artesanal para bares.

E aos poucos as coisas foram acontecendo e estávamos entrando em contato com o mercado cervejeiro. Fornecer cerveja para o consulado acabou se tornando uma vitrine para nós”, conta o mestre cervejeiro e sócio Dudu Toledo.

Após seis anos de envolvimento, naturalmente o que era “micro cervejaria” tornou-se Cervejaria Nacional e para isso, foi necessário contatar mais profissionais - como o Chef Alexandre Cymes na cozinha, Marcus Ribas no gerenciamento e Peter Jancso no conselho.
O cardápio da casa é diagramado como um jornal, além de sortido é harmonizado com as cinco receitas desenvolvidas na própria fábrica - que foram batizadas com personagens do nosso folclore brasileiro como: Y-iâra (pilsen), Mula (IPA), Kurupira (Ale), Sa’Si (Stout) e a Domina (Weiss). Não se preocupe se você não entender de cerveja, o cardápio e os jogos americanos vão te dar o passo-a-passo de tudo. O ex- baterista de rock e hoje chef de cozinha, desde 94 - Alexandre Cymes conta o processo de criação do menu.

“Para mim a comida tem que ser boa. Na minha cozinha não tem muita invenção, preparamos dois menus - um para o horário do almoço e outro para a noite. Para chegar neste resultado houve um consenso de unir cervejas mais encorpadas com pratos que realcem a presença do tempero”, menciona o chef Alexandre.

O público da casa é misto - no horário do almoço as mesas da Cervejaria são ocupadas por pessoas que trabalham nas redondezas e no happy hour, jantar e final de semana senhores, grupos de amigos, casais e gringos que vêem degustar as cervejas regadas ao som de jazz.

Por sugestão do chef Alexandre fomos de Costelinha aperitivo - ao molho barbecue com Kurupita Ale - guarnecida com batata rústica - R$ 35,00 (300g) e R$ 47,00 (500g). Apresentação impecável, textura macia - (desmanchando na boca), prato farto e equilibrado no sabor. Em seguida nos chega à mesa dois petiscos que fazem perfeita fusão com as bebidas da casa - bolinho de mandioca com lingüiça - R$ 17,00 e o bolinho de arroz com queijo - R$ 14,00 - ambos acompanham saladinha de vinagrete. Apetitosos e sem firula, passaram no teste da fritura - são bem sequinhos! A dica é pedir pelo sampler - o kit das cinco cervejas por R$16,00.

A casa conta com cervejas sazonais com toque de mel para o dia dos namorados e com toque de chocolate para a páscoa e banda de jazz ao vivo as terça e quintas.

Cervejas artesanais aromáticas, pratos bem executados, bom custo benefício, atmosfera encantadora aos olhos de quem gosta de cerveja nacional. É certeza de um repeteco!

Serviço:
Cervejaria Nacional
Avenida Pedroso de Moraes, 604 - Pinheiros/SP
Tel. (11) 3628-5000
www.cervejarianacional.com.br

Fotos: Márcio Palermo - (Estúdio Pavão)
Bruno Pavão - www.brunopavao.com.br
http://pavaophoto.wordpress.com

 

Glaucia Balbachan
Jornalista e pesquisadora na arte do “bem comer”, pós-graduada em jornalismo gastronômico pela FAAP/ SP. Com espírito inquieto e de “disciplina Escoffiana”, ela não para nunca! Está sempre nos cafés, bares, restaurantes, bistrôs, pubs e confeitarias da cidade, para conferir e experimentar novos sabores, descobrir novas composições e pratos clássicos com apresentação repaginada. Tudo isso para contar um pouco do que acontece no universo gastronômico de São Paulo.
glauciabalbachan@uol.com.br

 

 Voltar        Envie para um amigo        Imprimir        Outras Dicas