Tabuleiro do Acarajé cai no gosto do paulistano com o que a Bahia tem de melhor

fiogf49gjkf0d

Por Glaucia Balbachan

Pura delícia!

É tão especial e apetitoso, que por conta de suas características culturais e gastronômicas, o Instituto do Patrimônio histórico e artístico Nacional (Iphn), determinou em 2004 o tombamento do acarajé como patrimônio nacional. E a atividade das baianas que comercializam o bolinho típico, também foi reconhecido e regulamentado como profissão.

De portas abertas há sete meses, o Tabuleiro do Acarajé não passa despercebido por quem entra pela Rua Cesário Mota Jr. A ideia inicial era de vendê-los da maneira clássica como as baianas – em um tabuleiro no centro da cidade, mas com a não regularização do projeto - food trucks, as irmãs Fátima e Miri de Castro encontraram em 4 m² exatamente o que precisavam para iniciar os trabalhos.

“Nunca tínhamos feito acarajé, nossa experiência era apenas como consumidoras. Íamos comer em todos os locais que vendem acarajé em SP. Mas com muitas tentativas, erros e acertos chegamos ao resultado, que felizmente vem agradando os clientes”, Conta Fátima.

Pequeno e simpático, o Tabuleiro do Acarajé tem energia boa de sobra – quem chega não quer mais ir embora. O atendimento carinhoso com a boa gastronomia fez em pouco tempo clientes habitués. O público da casa dos bolinhos baianos é bastante variado, desde pessoas que trabalham pela região central até alunos do Mackenzie.

Com matéria-prima sempre fresca, os acarajés começaram a ser notados por chefs de SP também, o que fez Fátima e Miri receberem convites para expor suas delícias fora do Tabuleiro.

O Cardápio é enxuto, mas o grande protagonista é o acarajé ou mais conhecido como “hot dog baiano”. Trata-se se de texturas e contrastes de sabor. Uma palavra para definir: crocância – a fritura é impecável e o bolinho é farto nos ingredientes - R$10,00. Outra versão é o acarajé no prato por R$ 12,00. E na hora de pedir pela pimenta – existe uma maneira democrática, que funciona por níveis - de 1 até 10. Outros pratos que são feitos por encomenda um dia antes, por Fátima e Miri são: O caldinho de feijão para as noites frias, sarapatel, virado baiano e a realidade baiana que são mini- acarajés recheados com geleia de maçã com pimenta. Para beber – a sugestão da casa é a cachaça Jangada (shot) R$5,00 ou a refrescante caipirinha de cerveja da Miri por R$ 12,00.

Acarajés bem executados, atendimento descomplicado, bom preços e acolhida calorosa. Certamente voltaremos!

Serviço
Tabuleiro do Acarajé
Rua Dr. Cesário Mota Jr, 611 – Santa Cecília/SP
Tel: (11) 2384-6554 / 4301-4363
Não abre ás sextas-feiras
www.tabuleirodoacaraje.com.br
Fotos: Helena Gama – www.saboresdecanela.com

 

Glaucia Balbachan
Jornalista e pesquisadora na arte do “bem comer”, pós-graduada em jornalismo gastronômico pela FAAP/ SP. Com espírito inquieto e de “disciplina Escoffiana”, ela não para nunca! Está sempre nos cafés, bares, restaurantes, bistrôs, pubs e confeitarias da cidade, para conferir e experimentar novos sabores, descobrir novas composições e pratos clássicos com apresentação repaginada. Tudo isso para contar um pouco do que acontece no universo gastronômico de São Paulo.
glauciabalbachan@uol.com.br

 

 Voltar        Envie para um amigo        Imprimir        Outras Dicas