Turismo sustentável: grandes redes hoteleiras entram na tendência eco friendly

Pensando no turismo eco friendly, redes como Hyatt Inclusive Collection vem aprimorando práticas sustentáveis

Com as tendências globais de turismo se voltando para viagens socialmente responsáveis, abre-se espaço para a hospitalidade eco-friendly.  Conforme o relatório de 2023 da Organização Mundial do Turismo, 73% dos viajantes globais preferem ficar em hotéis que implementem práticas sustentáveis. Só em 2023  o mercado de turismo ecológico foi avaliado em US$ 330,9 milhões e deve expandir a uma taxa de 38,7% ao ano, atingindo US$ 8.703,7 milhões até 2033. Com números expressivos e resultados positivos também para o planeta, os hotéis “eco-friendly”, caracterizados pela dedicação à redução de resíduos, reutilização e reciclagem, estão ganhando cada vez mais espaço no mercado.

Diante deste cenário, redes grandes como a Hyatt Inclusive Collection do Hyatt Hotels Corp vem apostando em mudanças estruturais e na integração de práticas verdes em suas operações, garantindo experiências positivas para os hóspedes.

“A sustentabilidade não é apenas uma palavra da moda no Hyatt,  é um aspecto fundamental de nossa identidade e ética”, diz Antonio Fungairino Head Desenvolvimento das Américas da Hyatt Inclusive Collection. “Reconhecemos o profundo impacto que nossas operações podem ter no meio ambiente e estamos comprometidos em utilizar nossa influência para promover uma mudança positiva”, completa.

No último ano, 28 resorts da Hyatt Inclusive Collection receberam a certificação Preferred by Nature, organização que oferece serviços de certificação para apoiar sistemas de gestão sustentável e ajudar as empresas a alcançar seu compromisso de proteger e conservar a biodiversidade, o patrimônio cultural e melhorar o bem-estar das comunidades locais.

Com o esforço para acelerar as ações a favor do clima, a Hyatt Corp. criou o Word of Care, programa que visa dar vida às estratégias globais nos âmbitos Ambiental, Social e de Governança (ESG). “Definimos nossas metas, principalmente nas esferas de responsabilidade social e ambiental, considerando o que é valorizado por nossos funcionários, visitantes, clientes, acionistas, investidores e comunidades locais”, explica Antonio.

Em 2022, a rede conseguiu implementar  100% de energia renovável  em hotéis da rede nos Estados Unidos  e alguns na Europa. Já no Canadá, o Hyatt Place Ottawa – West agora obtém toda a energia a partir de 225 painéis solares, resultando em uma redução anual de emissões equivalente ao plantio de mais de 38.000 árvores. A unidade também promove a conservação de energia por meio de iluminação com sensor de movimento nos corredores e estações de carregamento para veículos elétricos para os hóspedes.

Focados em fortalecer as comunidades em todo o mundo, enquanto preservam recursos naturais e patrimônio cultural, o Hyatt pretende reduzir a poluição e promover  resistência ao clima. “Adquirimos créditos de carbono para apoiar o manejo sustentável de florestas e ajudar as famílias que vivem nas comunidades da Amazônia brasileira. Essa aquisição evitará aproximadamente 9,6 milhões de toneladas de CO2 equivalente ao longo de 40 anos”, conta o Head Desenvolvimento das Américas da Hyatt Inclusive Collection. A rede de hotéis também apoia iniciativas do World Wildlife Fund para a preservação global dos manguezais, visando aumentar a conscientização sobre a importância desses ecossistemas na luta contra as mudanças climáticas e na proteção da biodiversidade.

 

Agenda 2030

Desde 2022 a rede tem atingido os objetivos estipulados na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, que, por meio do uso de tecnologia de ponta, o projeto promove gestão, avaliação e medição dos Planos de Sustentabilidade Corporativa, impulsionando as melhores práticas dentro da indústria.

Com base no programa, a Hyatt Corp definiu algumas metas da Agenda 2030 como a    redução de alguns tipos de emissões em 53% por metro quadrado até 2030, em comparação com 2019. Além disso, a rede de hotéis pretende reduzir o desperdício alimentar em 50% por metro quadrado até 2030, em comparação com 2019. Outra meta é obter produtos-chave de forma responsável, como, por exemplo, comprar ovos de galinhas livres até ao final de 2025 e aumentar o fornecimento de mariscos de origem responsável. Somam-se a essas metas ações de diversidade e inclusão, bem estar e foco em comunidades locais.

Divulgação: sherlockcomms.com